Entrevista de Hans Georg

Crescendo junto com Canarana

Hans Georg Kalmbach já trabalhava com agricultura na Alemanha, onde nasceu, e com um amigo saiu pelo mundo em busca de uma região que tivesse boas terras e que também fossem baratas. Chegou em Canarana em 1978, com 22 anos, e enxergou um potencial de crescimento muito grande. Além disso, ele encontrou vários alemães na região que vieram em busca dos mesmos objetivos que ele, o que fez com que este homem do campo se sentisse em casa.

Ao se fixar em Canarana no ano de 1984, Hans conta que ele e sua família enfrentaram muitas dificuldades, pois era uma região de mata, sem infraestrutura básica como estradas e energia elétrica. A sua pequena casa de madeira era bastante precária e sequer tinha janelas. “Aquele ano foi bem difícil. Trouxe pouco dinheiro. Comprei um trator, uma aradora e uma plantadeira. Derrubei árvores e comecei a cultivar arroz e depois soja”, lembra o agricultor.

Naquela época, Hans criava porcos soltos pela fazenda. Ia para a cidade com o fusca para entregar a carne a supermercados e outros clientes. Numa área de 470 hectares, ele criava animais e mantinha a lavoura. Mesmo com todo esforço, começaram as dificuldades econômicas em função da política. O principal agente financeiro dos produtores da época cortou o crédito, e o Plano Collor prejudicou muito os agricultores. Foi então que Hans e outros agricultores decidiram se juntar e criar uma cooperativa de crédito, fundando o Sicredi em Canarana, em 1989. “Acreditávamos nos nossos negócios e tínhamos que ter uma alternativa para emprestar recursos”.

“O Sicredi me ajudou nesse processo. E além de nos ajudar, o dinheiro que aplicamos na cooperativa de crédito fica na região. Temos cota capital, investimentos dos associados e mais credibilidade. É uma relação familiar e não de banco”

Pouco tempo depois veio outra grande frustração. Perdeu o dinheiro que havia juntado por cinco anos para comprar uma terra em um golpe. Pagou por uma área de 1.724 hectares que jamais foi entregue a ele pela empresa. Com a descapitalização em função do golpe e as dificuldades de acesso ao crédito, ele decidiu mudar de negócio. Em 1990, investiu o pouco que tinha na compra de gado, atividade que mantém até hoje. “Comecei devagar, pequeno, com a criação de gado de corte” comenta.

Com o passar dos anos e o avanço da agricultura – soja e milho – as áreas para arrendamento ficaram mais difíceis e hoje ele possui 1.650 hectares, onde cria gado fazendo ciclo completo, com confinamento e semiconfinamento. Mas, engana-se quem pensa que com a pecuária a vida de Hans tenha sido só flores. Ele conta que teve dois grandes prejuízos com a entrega de animais para frigoríficos que não honraram os pagamentos. “E mais uma vez o Sicredi me ajudou a cobrir as dívidas” ressalta. Ele se orgulha de ter ajudado a cidade a se desenvolver. Hans e a família Kalmbach continuam fazendo história junto com o Sicredi em Canarana e em Mato Grosso.